ARTIGOS

PSDB aumenta contrato com empresa corrupta após receber dinheiro para campanha

DESVIO DE GRANA TUCANAAutoridades federais apuram atuação da Tejofran nos governos tucanos. Em nota, partido reafirmou prática de manter-se no campo da legalidade.

Depois de doar dinheiro para a campanha do PSDB, há dois anos, a empresa Tejofran conseguiu aumentar em R$ 3 milhões o valor de um contrato com o governo de São Paulo. Reportagem publicada na edição desta terça-feira (15) no jornal “Folha de S.Paulo” revela que o atual secretário estadual de Habitação, Marcos Penido, que na época dirigia a CDHU, teria intermediado essas doações.

Em nota, o PSDB reafirmou a prática do partido de manter-se rigorosamente no campo da legalidade e que as doações que recebe estão registradas na Justiça Eleitoral.
Autoridades federais investigam a Tejofran no caso da formação de um cartel para a licitação de trens durante governos tucanos. Segundo o jornal, foi nos computadores apreendidos na empresa que os investigadores acharam um e-mail sobre doações eleitorais ao PSDB.
O e-mail é assinado pela executiva da Tejofran Henriqueta Porto, que, segundo a reportagem, já tinha ocupado cargos de confiança na CDHU. Ela escreveu a um diretor do grupo: “O [engenheiro João] Razaboni me ligou passando informações que o Penido/CDHU pediu.”
O engenheiro prestava serviços à Tejofran. No e-mail havia dados bancários do PSDB para o depósito. Henriqueta escreveu ainda que Razaboni pediu uma cópia do comprovante para entregá-lo a Penido.

Os depósitos foram de R$ 25 mil cada, como mostra outro e-mail, que o SPTV obteve com exclusividade. As doações ao partido aconteceram durante a campanha para vereadores e prefeitos de 2012. Na época, a Tejofran fazia parte de um consórcio contratado pela CDHU.
Logo depois das eleições, o consórcio conseguiu um aditivo de R$ 3 milhões no contrato. Em nota, a Tejofran confirmou a doação, mas disse que o e-mail não comprova que tenha existido contato entre os executivos da empresa e o diretor da CDHU.
A CDHU confirmou que a Tejofran recebeu mais R$ 3 milhões e disse que esse adicional é comum em contratos em andamento. O secretário de Habitação, Marcos Rodrigues Penido, afirmou que nunca intermediou doações ao PSDB e que em nenhum momento a Tejofran foi beneficiada.
A reportagem do SPTV tentou entrar em contato com o engenheiro João Razaboni, mas ele não retornou as ligações.
Entenda as denúncias
A investigação começou a partir de um acordo de leniência (ajuda nas investigações) feito em 2013 entre umas das empresas acusadas de participar do suposto cartel, a Siemens, e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), órgão ligado ao Ministério da Justiça.
O desdobramento das investigações mostrou, no entanto, que o esquema poderia estar funcionando muito antes da denúncia feita pela Siemens. O suposto pagamento de propinas a governos no Brasil pela empresa Alstom teria tido início em 1997, segundo apuração iniciada pela Justiça da Suíça.
Em 2008, o jornal norte-americano The Wall Street Journal revelou investigações em 11 países contra a Alstom por pagamento de propinas entre 1998 e 2003. As suspeitas atingiam obras do Metrô de SP e funcionários públicos. Foi nesse ano que o Ministério Público de São Paulo entrou no caso, pedindo informações à Suíça e instaurando seu próprio inquérito.

Também em 2008 um funcionário da Siemens denunciou práticas ilegais no Brasil à sede alemã, dando detalhes do pagamento de propina em projetos do Metrô, CPTM de SP e Metrô DF.
Em 2013, a Alstom recebeu multa milionária na Suíça e um de seus vice-presidentes acabou preso nos Estados Unidos. No Brasil, a Siemens decidiu então fazer a denúncia ao Cade delatando a existência do cartel. Em dezembro, a ação chegou ao Supremo Tribunal Federal.
A investigação se ampliou e mostrou que o esquema poderia ser bem mais amplo do que se imaginava. Em 2014, o Cade ampliou o processo e passou a investigar licitações (de 1998 a 2013) em mais locais, além São Paulo e Distrito Federal. Entraram também nas apurações Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

Fonte: G1

Você também pode gostar...