GOVERNO DILMA GOVERNO FEDERAL GOVERNOS

Recursos asseguram participação de atletas no Parapan de Toronto

Delegação do Comitê Paralímpico Brasileiro embarca para Jogos de Toronto por meio de convênio próprio, firmado com Ministério do Esporte, no valor de R$ 2,7 milhões

A delegação do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) embarca para os Jogos Parapan-Americanos de Toronto (de 7 a 15 de agosto) por meio de convênio próprio para essa finalidade, firmado com o Ministério do Esporte, no valor de R$ 2,7 milhões. Para chegar às grandes competições, como o Parapan e os Jogos Paralímpicos do Rio 2016, o CPB conta com outros investimentos do governo federal.

Para a preparação de atletas, o Comitê conta com mais de R$ 38 milhões, por meio de convênio assinado com o Ministério do Esporte no fim de 2012 e ainda em vigência.

Além do CPB, os atletas são apoiados, diretamente, pelo Programa Bolsa-Atleta, cuja categoria mais alta é a Bolsa Pódio, com valores que variam entre R$ 5 mil e R$ 15 mil. A Bolsa Pódio é voltada para os atletas paralímpicos classificados entre os dez melhores do mundo e com chances de chegar a pódio nos Jogos do Rio 2016.

Dos 162 atletas inscritos no Parapan de Toronto, quase metade recebe Bolsa Pódio. São 79 – ou 48,7% do total. “A Bolsa Pódio beneficia um número muito grande de atletas do CPB”, diz Manuela Bailão, supervisora técnica.

“Faz parte do nosso projeto para o esporte de alto rendimento. E poderíamos ter ainda mais atletas da Bolsa Pódio no Parapan. Acontece que, às vezes, temos três bolsistas entre os três primeiros do ranking nacional em determinada prova e podemos inscrever no máximo dois”. A dirigente ainda destaca que provas ou classes do Parapan não são necessariamente as mesmas dos Jogos Paralímpicos (nos quais se baseia a concessão da Bolsa Pódio).

Para os atletas dos esportes paralímpicos, diz Manuela, são fundamentais os benefícios do Programa Bolsa-Atleta, que – além dos contemplados na categoria Bolsa Pódio –, tem outros 1.370 inscritos nas categorias Base, Estudantil, Nacional, Internacional e Paralímpica, no maior projeto de patrocínio individual de atletas em todo o mundo.

Apoio quase exclusivo do governo federal

De acordo com declarações de Andrew Parsons, o presidente do CPB, os recursos para este ciclo olímpico são quase exclusivamente vindos do governo federal. O orçamento do CPB em 2014 foi de cerca de R$ 80 milhões.

O CPB tem convênio assinado com o Ministério do Esporte de R$ 38,2 milhões para este ciclo olímpico – cerca de R$ 10 milhões/ano. O patrocínio estatal, da Caixa, alcança R$ 120 milhões para os quatro anos – cerca de R$ 30 milhões/ano. Há ainda recursos das loterias federais, por meio da Lei Agnelo/Piva – o montante projetado para 2015 alcança 40 milhões.

Centro em São Paulo será único no mundo

O CPB contará ainda com o Centro Paralímpico Brasileiro, que está sendo construído em São Paulo e é único no planeta. O CPB foi projetado para treinamentos e competições de 15 modalidades, com alojamentos e salas para as várias ciências do esporte. Estão sendo investidos mais de R$ 288 milhões (R$ 264,7 milhões em obras, mais R$ 24 milhões em equipamentos). Do governo federal são R$ 165 milhões e, do estadual, perto de R$ 124 milhões.

 

Fonte: Ministério do Esporte

Você também pode gostar...