ARTIGOS

Tucano não planejou e SP secou, agora apela até pra mandinga

Tucano não planejou e SP secou, agora apela até pra mandingaPor R$ 3,68 milhões, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) vai fazer chover no Alto Tietê. A autarquia estadual contratou por dois anos a Modclima para aplicar a mesma estratégia já utilizada há cinco meses no Sistema Cantareira. A empresa induzirá chuvas artificiais sobre as represas, “bombardeando” nuvens com água.

A tecnologia consiste na “aceleração da precipitação de chuvas com o despejo de gotículas de água potável feito por um avião na base das nuvens, um processo conhecido como semeadura ou bombardeio”, explica a Sabesp.

“O sobrevoo depende das condições climáticas e das formações das nuvens. Há um monitoramento constante e diário e acompanhamento por radares para identificar potenciais nuvens com capacidade de provocar chuvas exatamente na área das represas”, informou a companhia estadual.

“Neste ano, o trabalho realizado pela Modclima (companhia de Bragança Paulista, no interior do Estado) nas nuvens na região do Sistema Cantareira provocou a precipitação de cerca de 11,5 bilhões de litros desde o início do contrato com a Sabesp, número que representa em torno de 1,2% do volume do total do sistema. O resultado já justifica a contratação do serviço para ampliar o trabalho para a região do Alto Tietê”.

“A semeadura de nuvens”, garante a Sabesp, em nota, “é uma iniciativa surgida nos anos 1930 nos Estados Unidos e difundida no mundo, com resultados comprovados. Tem diversas premiações internacionais. Entre os clientes estão o governo da Bahia, associações de classe, cooperativas agrícolas e sindicatos”.

Contudo, as chuvas artificiais não impediram o esgotamento do Cantareira. No início dos bombardeios de nuvens (que para lá custou R$ 4,48 mi), o sistema estava com cerca de 20% da capacidade. Em cinco meses de sobrevoos, apenas em março a pluviometria acumulada no mês ficou acima da média histórica.

No dia 10 deste mês, o sistema se esgotou e só continuou operando com a retirada de água do volume morto, reserva abaixo do nível das comportas. O contrato para o Alto Tietê já foi assinado e a empresa aguarda apenas o aparecimento de nuvens.
Ontem, o nível das represas da região estava em 22% da capacidade total. Há um ano, este índice era de 62,6%. A média histórica para esta época é de 49%.
4 milhões

Com a escassez do sistema Cantareira, o Alto Tietê passou a abastecer cerca de 4 milhões de pessoas da região da Grande São Paulo e tem se aproximado com rapidez de uma situação semelhante de colapso. O governador Geraldo Alckmin (PSDB), após negar a crise, anunciou que também vai utilizar 25 bilhões de litros do volume morto do Alto Tietê, o que deve garantir menos de um mês de sobrevida ao manancial.
Fonte: MogiNews

Você também pode gostar...